Seguradoras suspendem venda de seguro de carro no Rio

Corretores foram informados sobre nova política, que se deve à alta da sinistralidade no Estado

Em 22 de novembro de 2017 fora publicada notícia no site da revista EXAME informando a suspensão da comercialização de seguros no Rio de Janeiro com o disposto abaixo:

“Depois de renegociar contratos de seguros de carga e negar novas apólices no Rio de Janeiro, as seguradoras agora mudaram também suas estratégias para seguros de carros. Grandes empresas do setor, como Mapfre, Tokio Marine e BNP Paribas Cardif, enviaram um comunicado aos corretores de seguros dizendo que veículos cadastrados com endereços do Rio de Janeiro não estariam mais elegíveis para o seguro de automóveis.

Um dos comunicados, ao qual EXAME teve acesso, diz que mesmo veículos que já fazem parte da base de segurados, mas que não têm renovação automática, devem ser recusados. Somente renovações automáticas serão feitas, uma medida das seguradoras para tentar conter a alta das taxas de sinistralidade. Já a Ituran, empresa de monitoramento de veículos, limitou a cobertura para motoristas de Uber — faz o seguro de quem atua em São Paulo, por exemplo, mas não no Rio de Janeiro.”

Diante desta informação a sociedade depara-se com a insegurança e instabilidade das seguradoras que, por visar o lucro e os lugares mais favoráveis para seu comércio, surpreendem seus segurados de longos anos com a notícia de que eles não poderão renovar o seguro de seus carros, visto que seus contextos se tornaram desinteressantes. É mais um ponto a ser analisado pela comissão do Projeto de Lei 3139/2015.

As associações de proteção veicular por sua vez, oferecem maior segurança, pois não olham a alta ou baixa sinistralidade de uma determinada região, muito menos seleciona perfis, uma vez que seu único objetivo é suprir a necessidade de seus associados através do mutualismo, fato que justifica sua criação.

O que aconteceria com o patrimônio dos habitantes do Rio de Janeiro se somente as seguradoras existissem? Através da proteção veicular, qualquer cidadão, em qualquer circunstância, sempre poderá se ver amparado na ocorrência de eventos danosos.

 

“A cooperação é a convicção plena de que ninguém

pode chegar à meta se não chegarem TODOS.”

Virginia Burden

 

 

 

Texto editado por Jenifher Coelho.

Compartilhe e promova o associativismo!

CQPV Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *